Finalmente estou disponibilizando fotos inéditas que tirei com personalidades do rock segurando o livro “Esfolando Ouvidos”. Essas fotos são registros das minhas viagens pelos festivais independentes e eventos onde fui divulgar o livro.
Gastão Moreira no Goiânia Noise 2005 - GO

Gastão Moreira no Goiânia Noise 2005 - GO

 

Karla, eu, Gabriel e Fabricio no Abril Pro Rock 2006 - PE

Karla, eu, Gabriel e Fabrício no Abril Pro Rock 2006 - PE

 

O colérico Redson no Abril Pro Rock 2006 - PE

O colérico Redson no Abril Pro Rock 2006 - PE

 

Os popsônicos Fernanda e Pil no Bananada 2006 - GO

Os popsônicos Fernanda e Pil no Bananada 2006 - GO

 

D2 em Brasilia 2007 - DF

D2 em Brasília 2007 - DF

 

Kid Vinil no Arena 2007 - DF

Kid Vinil no Arena 2007 - DF

 

VJ Luisa & Quebraqueixo no Jornal da MTV 2007 - SP

VJ Luisa & Quebraqueixo no Jornal da MTV 2007 - SP

Em breve estarei esfolando as celebridades dos quadrinhos. Aguardem!

 

 

 

Anúncios

Festival Jambolada 2008

setembro 24, 2008

           Entre os dias 07 e 14 de setembro aconteceu a 4° edição do Festival Jambolada em Uberlândia e eu estava lá. Recebi o convite para participar do evento através do Alessandro Carvalho, um dos donos do Festival. Ele leu o meu livro “Esfolando Ouvidos” e me convocou para um debate sobre Interface entre Música e Literatura Contemporânea.

           Eu e minha namorada Karla chegamos na simpática cidade mineira antes das 6 horas da manhã do dia 12. A produção mandou uma van para nos pegar na rodoviária e nos levar até o hotel onde a maioria dos artistas e da impressa ficou hospedada. Após um breve descanso, fomos levados para almoçar. Na van já começamos a fazer amizades com o pessoal das bandas e da produção.

          Ao voltarmos pro hotel, encontramos a Simone e o Moab de Brasília. Eles já são profissionais dos festivais independentes e estavam lá para divulgar o Tupanzine, o mais antigo fanzine em atividade no Brasil. No calorão das 4 horas da tarde fomos para o SESC onde estavam sendo realizadas as palestras, workshops e debates. Um pouco antes do começo, conheci meus companheiros de debate: Danislau do “Porcas Borboletas”,  Pimentel do “Vandaluz” e Lirinha do “Cordel do Fogo Encantado”. Todos os assentos da sala foram ocupados e uma dúzia de pessoas assistiu de pé os quatro doidos falarem de suas experiências de música e literatura por uma hora e meia. Foi bem estranho e engraçado.

Os debatentes se debatem

Os debatentes se debatem

          Depois da missão cumprida, eu só queria cama e ar condicionado. De noite, fomos para o Acrópole, a casa de show onde o Jambolada estava acontecendo. Viemos na van com o pessoal do Sick Sick Sinners e seu discreto baixo acústico. Pra mim, esta banda de psychobilly curitibana foi a melhor atração da noite. Wander Wildner, Macaco Bong e Cordel do Fogo Encantado também agradaram as mais de quatro mil pessoas que compareceram. O lance é que nesses festivais eu acabo nem prestando muita atenção nos shows, o que eu gosto mesmo de ouvir são as fofocas. Deixei meus livros com a Eline e o Maurício no estande da Monstro e fui tostar bagulhos de várias procedências até ás 4 da manhã. Simone e sua prima Fernanda tiveram trabalho para domar o Moab, que ficou locaço de birita.

          No sábado foi aquela coisa difícil de acordar pra tomar café, dormir, acordar pra almoçar, deitar, levantar pra jantar e ir pro show. O Galinha Preta já estava tocando quando chegamos. Hells, Boró, Japonês, Frango e o estreante Bruno agradaram geral. Depois foi o Krow, banda de death trash metal do Sapão. O lema do festival era misturar sons e no meio da zoada tocou até Malu Magalhães, com direito a muitas menininhas vestidas igual a ela na platéia. Trombei com o Boka, batera do RDP, sempre na função de camelô vendendo CDs.

Boka e o Grosseria Refinada

Boka e o Grosseria Refinada

          Visivelmente mais cheio, esta noite do Jambolada deve ter passado dos cinco mil pagantes. No backstage, a fofoca e a maconha estavam fortíssimos. O Ratos de Porão fechou a noite em show memorável, o som estava ótimo e o público insano agitou o tempo todo. Deu até uma tristeza quando o show acabou, é que pra mim e pra Karla, o Jambolada estava chegando ao fim.

          Ao meio-dia de domingo fizemos o check out do hotel, nos despedimos dos novos e velhos amigos e pegamos o rumo de casa. Ficou a lembrança de um festival muito divertido e muito bem organizado. Jambolada 2009, eu vou!

 

Assista os vídeos oficiais do evento no:

http://br.youtube.com/watch?v=WSRqdruSiOk
 
http://br.youtube.com/watch?v=bZ-I0wJjSrQ
 

 

 

Eu na Bienal do Livro de 2008

Eu na Bienal do Livro de 2008

          Eu tinha três bons motivos pra ir à Bienal do Livro deste ano. Primeiro que eu nunca tinha ido nas edições anteriores, segundo que seria bom divulgar meus livros num evento desse porte e terceiro que eu poderia encontrar alguns artistas que muito admiro.

          Cheguei no Sábado dia 16. Utilizei o transporte gratuito que sai da estação do metrô Tietê até o parque do Anhembi. Descolei uma credencial de autor, o que me permitiu livre acesso nos três dias em que visitei a Bienal. O lugar é gigantesco, 70 mil m² com 350 estandes de livrarias e editoras.

           Um dos locais mais movimentados era o estande da Panini, que trouxe da gringa uma estátua do Hulk de 2 metros e meio para enfeitar o ambiente. Todo mundo tirava foto. Num dos cantos vejo um cara desenhando. Descubro que é Luck Ross, mais um talentoso artista gráfico brasileiro contratado pela Marvel Comics. Enquanto ele desenhava, ficamos conversando. O cara é gente fina e no final, me fez um desenho do Capitão América, que logo estará pendurado em minha parede.

Hulk fazendo pose

Hulk fazendo pose

Este primeiro dia foi mais pra fazer um reconhecimento da área, tirar umas fotos e olhar as novidades. A grande maioria dos estandes estava vazia e a cara dos vendedores não aparentava otimismo. Muitos se arriscavam a abordar os visitantes no meio dos corredores, espantando de vez o possível cliente.

           No Domingo de manhã, garanti uma das 100 senhas que davam direito ao autógrafo do Maurício de Souza e que se esgotaram em menos de uma hora. Parti para o estande da Editora Globo onde o Mestre Ziraldo que fez uma sessão de autógrafos. Ele chegou desacompanhado, sorridente e usando um dos seus coletes coloridos. Fiquei logo no começo da fila e ele me recebeu muito bem, tiramos fotos e ele fez dedicatórias para mim e pra minha namorada Karla que dessa vez não veio comigo pra SP.

          Nesse Domingo a Bienal bombou, realmente estava cheia. Fiquei enrolando até às 15h, quando entrei na fila do estande da Melhoramentos para uma nova sessão de autógrafos com o Ziraldo. Na fila, fiquei conversando com o pai de uma menina. Eu disse que era escritor e o convenci a comprar um Grosseria Refinada. Caralho! Pelo menos vendi um livro na Bienal. Eram 17h quando consegui mais um autógrafo e mais fotos com o Ziraldo.

          A fila para os autógrafos do Maurício de Souza que já estava grande e muitas pessoas reclamavam por não terem a senha. Começa um rebuliço perto do estande, é o criador da Turma da Mônica chegando. Cercado de seguranças, ele parecia um rock star. Crianças e mamães gritando e fotografando. Logo a fila começou a andar. Na minha vez, ele autografou uma revista para mim e outra pra Karla e tiramos fotos. Fui entrevistado por uma TV institucional. Disse que era uma honra poder reverenciar aquele que é um dos mais importantes ícones dos quadrinhos nacionais.

Mauricio de Souza e a Nova Turma

Maurício de Souza e a Nova Turma

           Segunda-feira é o meu day off. Durmo até tarde, vejo pela TV o Brasil se fuder nas olimpíadas. Depois passeio pelas lojas da Rua Augusta e da Oscar Freire e almoço no Vegacy, um ótimo restaurante de comida vegana. À noite vou até a livraria HQMIX e fico umas 3 horas conversando com o Gualberto Costa.

          Na Terça-feira, chego às 15h pro meu último dia de Bienal. Vejo o menor e o maior livro do mundo. Pego um lugar no pequeno auditório do SESC-SP onde Lourenço Mutarelli fará uma palestra sobre seu novo livro. Ele estava de bom humor, e acabou falando mais sobre quadrinhos e cinema do que de literatura. Toda essa conversa foi filmada para o programa “Sempre um Papo”. Como eu fiz uma das perguntas, possivelmente aparecerei na TV em breve. No final, teve uma rápida sessão de autógrafos. Dou um Grosseria Refinada para ele. Conversamos rapidamente, Mutatrelli diz que se lembrava de mim, também essa é a quarta vez que eu o perturbo.

Mutarelli e o perturbador

Mutarelli e o perturbador

          Por sorte, consegui mais um autógrafo do Maurício de Souza, que chegou ao estande da Panini sozinho e sem alarde. Também trombo o Tor, vocalista do Zumbis do Espaço e pouco antes de ir embora, tenho um rápido encontro com Jô Oliveira, grande ilustrador e quadrinista radicado em Brasília.

           Posso concluir que valeu a experiência. Apesar de ser muito bem organizada e bem estruturada, a impressão que ficou é que a Bienal é um evento careta e conservador. Feito por velhos e para os velhos. Como ponto positivo, destaco os espaços e atividades para as crianças que vinham nas caravanas das escolas. De ponto negativo, senti a falta de juventude, de música e de alegria. Um grande supermercado desanimado. Se pretendo voltar? Em 2010 eu respondo.

20º Trofeu HQMIX 2008 - SP

20º Trofeu HQMIX 2008 - SP

 

        Nada como passar uns dias em São Paulo me entupindo de HQs nacionais. Na tarde do dia 23 de Julho eu e minha namorada Karla fomos pro SESC Pompéia, local da entrega do 20° edição do Troféu HQMIX de 2008. Chegamos com uma hora de antecedência para retiramos os convites. Aproveitamos para visitar a exposição HQ Férias, onde 20 painéis ilustrados contavam de forma resumida, mas bastante didática, a trajetória das histórias em quadrinhos no Brasil.

        Entramos no teatro às 19 horas e num telão instalado em cima do palco, vimos alguns curtas-metragens e o trailer da animação do “Los 3 Amigos”, baseado na HQ homônima criada por Angeli, Laete e Glauco.

       Na seqüência entra Serginho Groismann, o apresentador da entrega do Troféu desde a sua primeira edição em 1988. Numa mesa no canto do palco estavam os troféus dourados do Samurai, inspirados no personagem do veterano quadrinista Cláudio Seto. Aliás, o evento pegou carona no centenário de imigração japonesa e homenageou mestres de origem nipônica que foram os pioneiros do mangá no Brasil. Teve também a cerimônia da quebra do barril de saquê e show com tambores japoneses.

       Depois de discursos emocionados da dupla Jal e Gualberto Costa, os criadores do HQMIX, começaram a entrega dos prêmios aos vencedores. Uns faziam discursos rápidos, outros longos. Lamentei que a revista Bongolê-Bongorô nº 2 não tenha levado o prêmio este ano, assim teríamos uns doidos de Brasília pra perturbar o evento. Vi de longe, mas vi o lendário Maurício de Souza. Um dos homenageados foi o desenhista Ivan Reis, ele foi meu professor dias antes no curso de férias da Academia Quanta de Artes. O cara é fera, atualmente desenha o Lanterna Verde pra DC Comics.

       Ainda foi exibido no telão, o premiado curta metragem em stop motion “Dossiê Rê Bordosa”. O filme é todo animado com bonecos dos personagens criados pelo cartunista Angeli. Ele próprio participa do filme dando depoimentos hilários que tentam desvendar os motivas pela qual ele teria assassinado a cachaceira Rê Bordosa.

       Perto da onde eu estava sentado, localizei os desenhistas Spacca e Fernando Gonsales, ambos premiados na noite. Na cara de pau, fui lá e pedi e ganhei autógrafos. Nos intervalos, rolaram esquetes do grupo teatral Parlapatões e a apresentação da banda Jumbo Eletro.

       Algum tempo depois, eu e a Karla fomos dar uma volta e descobrimos o fumôdromo onde grandes estrelas dos quadrinhos nacionais estavam bronzeando seus pulmões com nicotina. Como eu sabia que iria encontrar com meus ídolos Angeli e Laerte, trouxe de Brasília 4 pocket books (2 pra mim, 2 pra Karla) para eles autografarem. Na primeira oportunidade, abordei o Angeli, me apresentei, pedi que autografassem os 2 livros de bolso da Rê Bordosa, dei meu livro Grosseria Refinada pra ele e ainda tiramos fotos. Ele foi muito sipático e atencioso.

Angeli com o "Grosseria Refinada"

Angeli com o "Grosseria Refinada"

       Já era quase meia-noite e pra não perdermos o metrô, fomos embora com o pessoal amigo da revista coletiva Subversos. Dentro do SESC Pompéia, os últimos Samurais eram entregues e com certeza ia rolar um rega-bofe pras estrelas da noite.

       No dia seguinte, eu e Karla fomos pra livraria HQMIX, onde Allan Sieber, André Dahmer e Joss estavam fazendo uma noite de autógrafos. Os três foram premiados na noite anterior. Antes passamos num teatro que fica ao lado da loja. Lá estava sendo ecenado a peça “A Noite dos Palhaços Mudos” baseada na HQ do Laerte. A sessão normal estava esgotada e a sessão extra também. Pegamos senhas e torcemos para assistir a peça nem que fosse de pé.

       Voltamos pra livraria HQMIX, na vitrine da loja estavam expostos os troféus das edições anteriores. No meio de um monte gente, encontrei o Laerte de bobeira. Peguei os pockets books que eu havia levado já prevendo esse encontro e pedi que ele autografasse.

       Eu e karla esperamos o fim da primeira sessão do teatro e conseguimos ingressos para a segunda sessão. Pra completar nossa sorte, sentamos juntos nas duas últimas cadeiras disponíveis da platéia. Umas quinze pessoas se contentaram em sentar na dura e suja escada. Os atores da Cia. La Mínima são excelentes e peça foi ótima, com destaque para a luz e música que deram todo o clima pro espetáculo.

       Na Sexta-feira, voltamos pra Brasília, empanturrados de tantas histórias em quadrinhos.

Hello world!

setembro 23, 2008

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!