O Esfolando Weblog quer deixar claro que não apóia nenhum partido político e nenhum candidato, inclusive deseja que todos eles se fodam. O Esfolando é de oposição! Oposição ao governo sujo, oportunista e escandaloso, como tem sido esses oito anos de governo do pt, não que os outros 502 anos tenham sido diferentes no Brasil. É que o pt emenda escândalo atrás de escândalo e nunca acontece nada com os envolvidos, ninguém devolve a grana e ninguém vai preso. O pior é o presidente dizer que “não sabe de nada!”. Ele também quer que ninguém saiba de nada, mandando calar a imprensa, ameaçando jornalistas e tentando empurrar uma candidata fantoche com pinta de reacionária e desequilibrada. O negócio tá feio! 

Anúncios

QUEBRAQUEIXO NO CONIC

setembro 24, 2010

Neste sábado (25) rola show com lançamento do livro “Mulheres do Rock” a partir das 15h no SDS Conic. Esse evento marca o encerramento do “Projeto Letra de Música” dos incansáveis sujeitos do Zine Oficial. Além do QUEBRAQUEIXO, tocam as bandas veteranas Genocídio (SP) e Stress (PA). O line up é completado pelas brasilienses Death Slan, Kábula, Massacre Bestial, Mostarja e Gulag. Apareçam, é di grátis!

Pois é amiguinhos, o “Esfolando Weblog” vai contrariando as expectativas de vida de um blog ordinário e chega ao seu 2º ano de existência virtual. No aniversário passado foram 100 posts e com esse agora são 201, sinal de que estou mantendo a média de cretinices anual. Até pensei em mudar o visual da página pra comemorar a data, mas não achei nenhum modelo que me agradasse e resolvi não mexer em time que está perdendo. A única mudança foi finalmente marcar os posts por categoria, então quem quiser pesquisar algum assunto, é só ir até o final da página e clicar no tema. Mais pra frente, vou colocar um botão de vendas, onde estarei colocando vários produtos para a comercialização por cartão de crédito e boleto bancário. No mais, fica o “tenquiú” pra todos que insistem em freqüentar esse desaconselhável ambiente do “saiberespaço”. Muchas gracias e voltem sempre!

SAMBA NO PORÃO

setembro 21, 2010

Essa cobertura especial do Porão do Rock 2010 foi uma parceria entre o “Esfolando Empreendimentos”, a Revista Samba e a fotógráfa Carol de Góes.

No trajeto entre a Rodoviária e o Ginásio Nilson Nelson, milhares de peregrinos faziam a procissão de subida até a Meca do rock em Brasília. De todos os cantos do DF e até de fora do “quadradinho branco”, mais de 30 mil roqueiros foram celebrar a diversidade musical oferecida pelo Festival Porão do Rock no dia 11 de setembro. Um dia que valeu por dois, ou três…

 

Camisa preta e jeans era o uniforme universal, mas houve quem caprichasse mais e houve que caprichasse “demais”. Tinha de tudo: punks, playboys, gostosas, topetudos, patricinhas, skinheads, emos, rappers, metaleiros, popozudas e até uma dupla de vampiros anêmicos. Com 33 atrações em três palcos simultâneos, era difícil não ter pelo menos uma banda que agradasse a esse público tão heterogêneo e tão igual ao mesmo tempo. O que o Porão do Rock 2010 fez de melhor, foi misturar todo mundo numa maçaroca só.

 

E tinha rock de todos os tamanhos, desde o rock magrinho até o rock ultra-obeso. Só era preciso disposição para encontrar o palco certo pro ouvido exato. Rock gringo também tinha, mas eles só serviram pra mostrar que o produto nacional é ainda melhor. Durante a maratona, muitos foram noucateados pelo cansaço e pelo álcool. Bebuns e uma montanha de alumínio e plástico ficaram esparramadas pelo chão.

 

Na manhã do dia 12, poucos fanáticos fiéis resistiram até o final, aproveitando até os últimos decibéis gratuitos, a final de contas, Porão do Rock agora só ano que vem. E pra quem iria a pé até a Rodoviária, ficava o consolo de que a volta era só descida e o que o óleo da Pastelaria Viçosa nunca para de ferver.

                 

Fotos: Carol de Góes
Texto: Evandro Esfolando
Ilustrações: LTG, Gabriel Góes e Gabriel Mesquita

QUEBRAQUEIXO NA EPIC CON

setembro 18, 2010

(ilustração de Caio Gomez para o Correio Braziliense 17/09/2010)

Nesse sábado e domingo (18 e 19 de setembro) rola a primeira Epic Com, uma grande convenção de quadrinhos em Brasília. Além de HQs, o evento oferece intensa programação voltada para o público que curte anime, RPG, cosplay, videogames  e shows de rock. O Quebraqueixo toca amanhã a partir das 17h. No domingo, o destaque é a presença do Zé do Caixão. O evento acontece no ExpoBrasília (Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade) das 11h às 22h e os ingressos custam R$30,00 (meia). A programação completa você confere no www.epiccon.com.br .

Depois que o Autoramas terminou sua apresentação, boa parte do público do Palco Pílulas foi embora junto. Os espanhóis do The Right Ons ajudou a espantar os poucos que ficaram. No Ginásio, o cheiro de suvaco e enxofre feriam as narinas mais sensíveis. Vi um pedaço do show do Korzus, mas alguma coisa me dizia para ir ao Pílulas.

 

Meus instintos estavam certos. O show mais bizarro, ganhador do Troféu Esfolando na categoria “Bizonho” estava começando e pouca gente iria testemunhá-lo. Os goianos do Mechanics iniciava seu ruidoso espetáculo freak com o auxílio de dois integrantes do Grupo EmpreZa.

Eu tinha visto uma apresentação muito loca do Mechanics com esses caras no Goiânia Noise do ano passado, tem até um vídeo no post que eu fiz do festival. Dessa vez, enquanto a banda tocava, os dois rapazes vestidos com camisas sociais e gravatas, ficaram dando tapas na cara um do outro durante alguns minutos. O Som sujo da banda combinaria mais com os shows do Ginásio, os metaleiros iriam pirar. Depois de algumas músicas, os dois voltam ao palco e um fica atrás do outro. O de trás começa a enfiar o cabelo comprido do outro dentro da boca. Nogentão! Pra fechar, os caras tacam fogo numa placa de cera, que nem uma vela com vários pavios acesos e um deles a ergueu sobre a cabeça. Uma chuva de cera derretida ficava caindo sobre o rosto do sujeito durante três minutos. Assista aos vídeos se tiver estômago. Como disse Márcio Jr no final da apresentação para os boquiabertos espectadores: “quem viu, viu…”.

Lá pelas 3h, o cansaço se fazia presente, mesmo assim, dei a volta inteira pra ver de qualé da tal banda americana She Wants Revenge, mesmo sabendo que não iria gostar. É mais uma daquelas bandas lentas que eu acho um saco. Volto tudo de novo para ver outros americanos. Mais animadinhos, o The SuperSuckers tem mais pose do que peso e encerraram o Palco Pílulas tocando pra pouquíssimas pessoas.

 

No ginásio, o barulho ainda iria durar mais tempo. Pra não dizer que não falei das bandas de Brasília, vi um pedaço do hardcore Straight Edge do X Lost in Hate X e do metal moderno do Deceivers.

 

Coisas medonhas ainda iriam acontecer. “Cuidado com a Cuca, que a Cuca te pega e pega daqui e pega de lá!”. A risada sampleada da Cuca nunca foi tão sinistra! Personagens nada infantis assumem suas posições no palco/terreiro. É pra rir ou pra temer? Os ganhadores do Troféu Esfolando na categoria “Figurinos e Adereços Malignos” vieram do Rio de Janeiro trazendo oferendas de metal e hardcore. As entidades do Gangrena Gasosa fizeram o show mais original de todo o festival. Já conhecia o som deles de longa data, mas nunca tinha visto eles ao vivo. Muitas são as lendas que permeiam a história folclórica da banda. Renzo, velho conhecido do rock brasiliense por ter tocado bateria por anos no DFC, assumiu as baquetas do Gangrena quando mudou-se pra RJ. Usando chifres na testa, ele parecia o Hellboy adolescente. O público pareceu estar “pissuído” e quase arrebenta as grades de proteção da área vip. O efeito cenográfico da apresentação me fez lembrar da banda “The Residentes”. Fecharam o corpo e o show com “Benzer inté morrer/ kurimba ruim”, homenagem ou maldição que fizeram para o RDP.

Com os ouvidos e pés esfolados, ainda tive curiosidade para ver o Show do Musica Diablo. Derrick Green percebeu que o público restante estava cansado, mas conseguiu boa reação com esse seu projeto musical. O som é brutal, veloz e não frustra os fãs de sua outra banda. Tivessem tocado mais cedo, capaz do teto do Nilson Nelson cair (de novo).

 

Amanhecia quando o Frango cantava de galo e o Galinha Preta ciscava os últimos roqueiros de plantão. Apesar do trocadilho infeliz, a banda, pilhada como sempre, teve a honra/castigo de encerrar o Porão do Rock de 2010. Doidão que sou, esqueci onde tinha estacionado o carro e achei que tivesse sido roubado. Andei pra porra até achar a caranga.   

PS: ainda rolou um “churras” classe A na casa de parentes do Gabriel Thomas com presença de vários amigos das antigas. Das quase 200 fotos que tirei nesse fim de semana, a melhor de todas com certeza foi essa do Bacalhau/Mario Bros.

Fotos, vídeos e textos por: Evandro Esfolando

Pra não dizer que eu cheguei atrasado no Porão do Rock, duas da tarde eu já estava lá, batalhando por pulseirinhas.  Foi bom chegar cedo e ver como funciona e o tanto de trabalho que dá fazer um evento desse porte. Debaixo de um sol impiedoso, uma centena de operários erguia um templo de aço para a celebração anual do rock em Brasília.  De quebra, assisti à passagem de som do Autoramas e ainda ganhei da amiga Vanessa, um protetor de ouvidos e um vidrinho de pimenta da Chilli Beans.

(foto de celular)

Depois que o Raul e o Ceará liberaram as “credences”, logicamente voltei pra casa e só reapareci às 21h. Ao cruzar o portão de acesso, tive a infeliz surpresa em ver que uma banda que eu acho Mó Merda ainda estava tocando. Corri pro ginásio, e pra minha alegria, Death Slan estava arregaçando. 20 anos de zoada não é pra qualquer um, que o diga o semi-senil CDC, mostrando pra todos, que os roqueiros podem chegar à terceira idade com muita dignidade.

 

Quando saiu a programação oficial do Festival, uma das poucas bandas que eu realmente tinha vontade de assistir era o Sick Sick Sinners, um Psichobilly curitibano bonzão, que eu já tinha visto no Jambolada em 2008. A única coisa que quase tirou o brilho da apresentação foi uma briga besta.

 

Quem deu continuidade à alegria rockabilly (só que menos hardcore) foram os argentinos do Los Primitivos. Bem bom o som dos portenhos.

 

Enquanto rolava a troca de palco, fui dar um role! E que role! Ir do Palco Pílulas ao Palco Chilli Beans exigia preparo físico, pois a distância entre eles era considerável. Pelo menos nenhum palco interferia no som do outro. A meu ver, o problema maior do Porão era decidir qual show assistir, já que três bandas tocavam simultaneamente. Foi por isso que assisti só um pouco do show do GOG e optei ver o sempre impecável show do Autoramas. Cheguei no finalzinho da participação de Érika Martins na “Música de amor”. Gabriel e Bacalhau que me desculpem, mas o Troféu Esfolando na categoria “Destaque da Avenida” fica com a baixista Flavinha, que agita pra caramba e é super fotogênica.

 

Depois eu tive que ir embora porque tava com sono e tinha que acordar cedo. MENTIRA! Fiquei quase até fechar o “portão do rock”. As bandas mais pesadas e bizarras ficam pro próximo post. Tem um texto meu sobre o Porão, ilustrado pelos caras da Revista Samba e com fotos da Carol de Góes no http://revistasamba.blogspot.com/ .

Fotos, vídeos e texto por: Evandro Esfolando

MUERTEEN DE INDEPENDÊNCIA

setembro 7, 2010

Ultimamente, tenho sido muito displicente com os meus personagens. Hoje mesmo, quase esqueço de fazer um Muerteen comemorativo de mais um feriado cívico. Seria uma falha terrível não usar a famosa frase de D. Pedro I, que já veio como piada pronta para os funéreos adolescentes.

Nessa sexta, sábado e domingo (03, 04 e 05 de setembro) vai rolar um evento maneiro sobre quadrinhos na Livraria Cultura CasaPark Shopping Center. Os amigos da Samba, Pindura, Beleléu, Quebraqueixo e muitos outros artistas da cidade estarão lá, fazendo debates, oficinas e uma HQ coletiva. O evento é aberto ao público. Apareçam!

Mais informações no: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/eventos/home_cidade.asp?local=4&sid=00140515712618757902412560&k5=28A1702A&uid=