ESFOLANDO EM SÃO PAULO

março 16, 2011

De acordo com meu cálculos, eu não pisava em São paulo desde novembro de 2008. Acho que faltava um motivo, como se precisasse um motivo para curtir a capital paulista. Quando fiquei sabendo que ia rolar show do Sick Of It All por lá, a desculpa era perfeita e tratei de armar esse bonde. Já que eu estaria ali, por que não fazer um lançamento do CD/Livro HQ do Quebraqueixo? Liguei pro Gualberto e pra Dani da livraria HQMIX e agendamos a parada.

  

Eu e a Karla chegamos na sexta-feira, depois de nos acomodarmos no hotel, fomos pra galeria do Rock, lugar de peregrinação de todos os rockeiros que visitam SP. Sábado de manhã chovia fino e quase estraga o nosso rolê na Rua Augusta. A descida é uma beleza, mas a subida de volta até a Avenida Paulista é cruel.

Sete e pouco da noite chegamos na HQMIX, situada na Praça Roosevelt, um local de boemia, cercado de bares, teatros e puteiros. Na mesma noite, o gibi “Escorpião de Prata” também estava sendo lançado e acabou trazendo mais gente pro evento. De Brasília apareceram o Didiu, Grilo e Paulo Marchetti. Foi bacana, revi uns amigos, conheci gente nova e fiz aquele business.

Lá pra meia-noite, fomos pra despedida do amigo Beavis, que passará três meses na Holanda e reuniu alguns amigos no apartamento que ele divide com o Leandro Leospa, outro truta do DF. De Brasília também estavam Bição e Salsicha. Conheci lá o super gente fina Spaguetti, antigo baterista do Ratos de Porão, que atualmente toca no Homeleess.

Domingo, batemos perna na Paulista, vasculhamos a feira de antiguidades do MASP e almoçamos num interessante restaurante de comida natural. Depois de uma descaçada, fomos pro Carioca Club. Ouvi muita gente dizer que os shows organizados pela Liberation costumam não atrasar e é verdade, às 19h, a banda local (não sei o nome, mas é meio SXE) já estava fazendo o show de abertura. Tratei de comprar logo uma camiseta oficial do SOIA, que se esgotou pouco tempo depois.

Lá trombei com outros camaradas de Brazza City: Barbosa, Gregório, Marcio, Gustavo Rosa, Ricardo, Caneca e sua mina. A segunda banda da noite foi o Cameback Kid do Canadá. A banda já havia tocado na cidade e era conhecida do público paulista. Achei legalzinha e tal. Foi o Barbosa quem cantou a pedra de que o vocalista e o guitarrista eram do Figure Four, banda fodona que tocou em Brasília e o Macakongs 2099 abriu o show em 2002 (acabei de colocar o CD do Figure Four pra rodar e eles são muito, mas muito melhores do que o Cameback Kid). O salão do Carioca Club ficava mais cheio cada minuto e no final da apresentação dos canadenses, o bagulho tava atochado.

Era grande a expectativa de todos para o show dos novaiorquinos do Sick Of It All e eles não decepcionaram. Com sorriso no rosto, a banda mostrou porque é tão amada pelos apreciadores do hardcore true. Nem parece que os irmãos Pete e Lou Koller estão nessa há 25 anos, tamanha a jovialidade que eles demonstram no palco. Redemoinhos de gente suada fizeram o expetáculo ficar mais bonito. Pena que o show foi curto, só uma horinha, mais que horinha feliz!

Esse FDS em SP foi intenso e espero não demorar muito pra voltar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: