ESFOLANDO O FESTIVAL CULT 22

novembro 29, 2011

O programa de rádio Cult 22 está comemorando 20 Anos de atividade em grande estilo! O Festival Cult 22 será realizado em 13 noites e 40 bandas de Brasília se apresentarão no palco Cult 22 Rock Bar (CA 7, Lago Norte). O Festival começa nesta quinta-feira (1/12) com muito punk rock e hardcore do Quebraqueixo, Os Maltrapilhos e Os Cabeloduro. Os shows começam às 22h e os ingessos custam R$ 10. Confira a programação completa em www.cult22.com

O show do Ringo Starr rendeu essa página para o Rock vs Comics. Quero ver se até o fim do ano eu coloco mais duas ou três resenhas em HQ nesse formato.

 

ESFOLANDO O RINGO STARR

novembro 21, 2011

Parece heresia, mas confesso que nunca fui fã dos The Beatles. Isso não quer dizer que eu não reconheça o valor dessa banda e o quanto eles contribuiram para a evolução do Rock’n’Roll, moda, comportamento, política e por aí vai. Pra mim, Beatles é tipo Roberto Carlos, é só tocar uma música deles que eu começo a cantar junto, mesmo sem querer. Subconsciente total.

Depois de ler o “O Pequeno livro dos Beatles” de Hervé Bourhis, fiquei fascinado com a história desses rapazes de Liverpool, mas não consigo ter muito interesse por sua música. Você deve estar se perguntando, então que diabos esse cara foi fazer aí? Bom, as razões pra eu querer ver o show de Ringo Starr são: ele foi um Beatle (um dos dois vivos), ele ia tocar em Brasília e possívelmente a única chance de vê-lo de perto.

Desembolsei R$350,00 (a meia) por um lugar razoável (tinha ingresso mais caro), mas depois me arrependi de não ter comprado um mais barato. Explico: Eu nunca tinha ido nesse auditório do Centro de convenções, achei que tudo era fechado e que não dava pra circular em outros setores. Fui pro meu lugar já meio conformado em assistir a um show de rock sentado. Pensei que ia ser um espetáculo com o público comportado, já que a maioria tinha mais de 50 anos. As duas únicas pessoas que eu conhecia no local eram o Cascão e o Zé Carlos que estavam na área mais nobre. Quando o show começou , todos se levantaram, comecei a filmar e percebi que aos poucos, algumas pessoas começaram a descer (principalmente quem estava mais atrás e pagou mais barato) até o gargarejo e eu fui no embalo. Em dois minutos, a grade de frente ao palco ficou lotada e eu pensei: se fudeu quem pagou mais caro pra ficar na frente. Abaixo, o vídeo do começo do show.

http://www.youtube.com/watch?v=62JIw_7Kz-g

Ringo foi bem simpático e comunicativo com a platéia, fazendo o seu característico “paz e amor” com as mãos o tempo todo. Todos falam de seu narigão, mas as orelhas também são gigantes. Passado o frenesi inicial, o show foi ficando um pouco monótono, como eu temia. A banda que acompanha o astro é exelente, todos muito bons e todos têm o seu momento de brilhar. Tem hora que Ringo até abandona o palco e deixa os outros roqueiros da 3° idade comandar o espetáculo. Gostei dessa música nova de seu repertório “The Other Side of Liverpool”, video abaixo. Mais abaixo está Back Off Boogaloo, onde ele apresenta o All Starr Band.

http://www.youtube.com/watch?v=tpMFlOPEUB0

http://www.youtube.com/watch?v=Va-KZgrZapA

Foram quase duas horas de show, com direito a músicas de seu trabalho solo, covers e lógico, músicas do Beatles como With a Little Help From My Friends e Yellow Submarine (video abaixo).

http://www.youtube.com/watch?v=-AmARzHciHs

O show termina com a canção “Give Peace a Chance” deJohn Lennon e ele não volta pro bis. Apesar do ingresso salgado (chegou a me dar pressão alta), o show foi bacana e ainda vai render uma resenha em HQ pro Rock vs Comics. Aguardem!

PS: ESTOU COM PROBLEMAS PARA COLOCAR FOTOS E VIDEOS NO WORDPRESS…

ESFOLANDO O 7° FIQ

novembro 16, 2011

(Adivinhem quem é o homenageado dessa edição?)

Nesses dois últimos anos, tive a oportunidade de conferir de perto os eventos mais importantes de quadrinhos no Brasil e sem dúvida, a 7ª edição do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) realizado em Belo Horizonte é o maior de todos eles. Maior em estrutura, maior em público e maior em diversão.

(Foto da janela do meu quarto de hotel com vista para o parque Municipal)

Cheguei em BH no dia 09 de novembro, dia da abertura do evento. Depois de me instalar no hotel (o mesmo que hospedaria os convidados do festival), arrumei minha mochila com os produtos do camelô e fui pro sagão. Eu sabia que o o local do FIQ ficava perto do hotel e quando pedi informações para o pessoal credenciado, eles me disseram pra eu ir com as três pessoas que estavam indo para lá. Primeiro fui apresentado ao Érico Assis, jornalista do Omelete que na sequência me aparesentou a americana Jill Thompson (desenhista do Sandman) e o Francês Olivier Martin. E fomos descendo até a Serraria Souza Pinto conversando. Um bom começo, hein?

(Jill Thompson dando um autógrafo em frente ao nosso estande)

Se por fora o prédio antigo da Serraria nos remete a quase um século no passado (1913), por dentro, as modernas instalações indicam que estrutura do evento foi bem planejada. Fui na captura do estande dos Dependentes e logo encontrei os “Sambas” Lucas e Gabriel Mesquita (de Góes não veio e fez falta); os “Pinduras” Daniel Ilustrôide e Sarah; os “Beleleus” Elcerdo, Arruda e Stêvz (Lafa chegou no outro dia); os “Pregos” Alex Vieira e Guido Imbrosi; Chyntia “Golden Shower”, além do Pablo “Tutti” Carranza, Yuri “Garoto Mickey” Moraes e mais uns doidos que sempre caiam por lá.

Por ser gratuito e bem localizando, o evento atraiu muita gente (que não necessáriamente curte HQ), fora as inúmeras excursões de escolas que traziam centenas de crianças enlouquecidas com a quantidade de informações. O movimento de vendas no nosso estande foi bacana. Direto encontrávamos figurinhas carimbadas nesse tipo de evento, além de um monte de quadrinistas novos que começam a publicar e aparecer. No começo da noite, eu e o Stêvz fomos tomar café no Café Nice, tradicional cafeteria de BH que está em atividade desde 1939.

O camarada Batista foi um dos responsáveis (assim como no FIQ de 2009) pela organização do já tradicional “Baile da Revistas Dependentes”. Foram três noites de programação musical no Bar Nelson Bordello, convenientemente localizado a poucos metros da Serraria e que já foi uma igreja evangélica. Nessa primeira noite, tivemos a apresentação do Chapamamba (Stêvz e Bruno); depois clássicos do punk nacional e mundial com Prego Orchestra (Alex e Guido) e fechando com Cyntêvz, que é o Chapamamba acompanhando a Cynthia cantando músicas fofas, inclusive uma sobre um vibrador com cabeça de Darth Vader. Após os shows, ainda fiquei um bom tempo trocando idéia com o Olivier e ainda apresentei um béqui pro Cyril Pedrosa.

(Chapamamba e Prego Orchestra tocando no escuro.)

Na quinta, acordo um pouco antes das 10h pra pegar o sultuoso café da manhã do hotel. No refeitório, várias estrelas dos quadrinhos, editores e jornalistas. Esse dia é bem atarefado, dou uma força no estande até a hora que os caras do Quebraqueixo chegam de Brasília. Nós fizemos uma rápida sessão de autógrafos na mesa ao lado do cultuado desenhista Bill Sienkiewicz (acabei de lembrar que ví ele autografando na segunda Bienal de Quadrinhos em 1993, no Rio de Janeiro). Se decepcionou quem esperava ganhar um pequeno sketch junto com seu próprio nome ao lado do autógrafo do ídolo. Apesar da extrema simpatia, Bill fica em pé e apenas risca sua assinatura em cima da capa dos gibis, mas tira foto com todos e estava bem animado. Esperei acabar a fila e pedi pra ele autografar a Elektra e o Demolidor que trouxe de casa. O Quebraqueixo aproveitou pra entregar o livro e o CD da banda e tiramos fotos com ele. Ele até pediu pra que tirassem uma foto nossa com sua câmera.

(Quebraqueixo e Bill)

Eu voltei pra função de vendedor até às 20h, quando fui pro hotel. Pouco tempo depois, o caras do QQ foram passar o som no bar e eu fiquei descansando até às 23h. A maioria dos dependentes já saía direto pro bar, que estava bem mais cheio que a noite anterior. Primeiro tocou o Fadarobocoptubarão, banda instrumental formada pelo Batista, Porquinho e Chico. Como já passava da 01h, podemos afirmar que o Quebraqueixo tocou no mítico dia 11/11/11. Essa foi a segunda vez que o Quebraqueixo faz show em BH, a primeira foi justamente no FIQ 2009, já que o evento é bienal. Apesar da aparelhagem não ser das melhores, o show foi bacana e divertido. Além de rodinhas de pogo, ainda teve dança das cadeiras e hematomas nas canelas. Depois das 04h, voltamos pro hotel. O vôo do Herman, Berma, Paulinho e Júlio era no começo da tarde e eu tava dormindo quando eles partiram.

(Quebraqueixo no Bordello – Foto Carolina de Góes)

Depois de almoçar, fui pro batente e o trabalho é pesado. Está quadradamente enganado quem pensa que esse trampo é moleza. Lógico que a gente se diverte o tempo todo (como todo trabalho deveria ser), mas é mó canseira e tem vezes que você já tá de saco cheio de repetir o mesmo caô pra vender os gibis. E essa sexta, o FIQ estava lotado, multidão de verdade, e o calor de rachar. Aproveitei um tempinho de folga e peguei um autógrafo do Cyril no livro “Três Sombras” e um sketch do Oliver. Às 22h, fechamos o estande com intenção de ficar direto. Do lado de fora estava rolando batalha de MCs debaixo do Viaduto de Santa Tereza e uma cabeçada da comunidade RAP estava presente. Eu e um grupo de uma dúzia de pessoas fomos parar num botecão ali perto e depois fomos pro Bordello. Essa era a última noite da programação do “OFF” FIQ e teve o lançamento da revista “A Zica 1”. Fora do bar estava bem cheio, mas dentro estava meio vazio, mesmo assim o show do Grupo Porco de Grindore Interpretativo foi bom.

(Autógrafos com os franceses Cyril Pedrosa e Olivier Martin)

Como não consegui dormir até às 07h, tomei café da manhã e voltei pra cama até as 14H. Se sexta estava abarrotado, sábado foi ainda pior (ou melhor?). Segundo a organização do evento, o FIQ recebeu 148 mil pessoas nesses cinco dias e não duvido desses números. Além do povo local e da molecada das escolas, tinha muita gente que veio de outras cidades. Os quadrinhos dependentes venderam super bem, mas nada comparado aos das duas livrarias oficiais, que tinham filas enormes pra entrar e eram especializadas em quadrinhos de super-heróis e mangá.

(Fernando Gonsales visita os Dependentes)

(FIQ visto de cima, e nem está aparecendo tudo.)

Fiquei sabendo que iria rolar show do Autoramas e do Dead Fish, daí me agilizei de ligar pro Gabriel e garantir meu nome na porta. Cheguei um pouco antes do Autoramas começar a tocar. A casa estava cheia e o show do trio foi muito interessante, pois eles tocarm várias músicas novas que estão presentes no “Música Crocante”, CD recentemente lançado. Eu estava perto da entrada do Backstage quando o Dead Fish começou o show. Primeiro veio o Bacalhau me cumprimentar e depois, pra inveja dos marmanjos, Flavinha (a baixista mais fotogênica do rock nacional) veio me passar pra dentro dos camarins. Lá cumprimentei o Gabriel e fumei um com o Bacalhau. Ví quase todo o show do lado do palco e no final, subi o mezanino pra filmar a última música do show. Esperei um pouca a banda baixar a bola e fui cumprimenta-los antes de ir embora. O melhor da noite foi ter fugido do triângulo: hotel, Fiq e Bordello.

Domingo, o último dia do FIQ é sempre mais deprê, porque a gente sabe que está acabando e muitos vão embora antes do evento terminar. Daí é aquelas despedidas, troca de gibis, reforçar parcerias e ajudas mútuas. Fiquei tipo uma hora e meia na fila da Jill Thompson pra pegar assinatuta nos livros do Sandman.

Quando eram 21h o evento esvaziou e começamos a guardar todo o material que sobrou. Muita conversa depois, fizemos um grupo que partiu pra uma cantina, chegando lá, mudamos de idéia e nos juntamos a outro grupo para comer num rodízio de massas (feijão tropeiro incluso). Na mesa, eu, Tiago, Juca, Azeitona, Santolouco, sua namorada,Wesley, Rubem, Carol de Góes e Rafael Corrêa. Dizem que o evento só é um sucesso quando alguém acaba indo pro hospital e foi lá que o Lucas LTG foi parar com uma infecção que deixou os dois pés inchados. Ele, Cynthia e Mesquita apareceram mais tarde.

(Foto institucional tirada pela Carolina de Góes)

Daí, nos despedimos, fui pro hotel, acordei às 11h, arrumei meus bagulhos. Fui de taxi pra rodoviária e de lá pro aeroporto. Ás 17h eu estava em casa, cansado, mas feliz de mais uma missão cumprida. Agora, FIQ só em 2013.

(Dominó gigante feito por vários artistas)

(Bottons do Billy Soco coletados pela Carolina de Góes)

Amiguinhos, tô indo pra Belo Horizonte pra participar do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos). Nessa quinta-feira (10/11), o Quebraqueixo faz lançamento do Livro HQ/CD ao lado de Bill Sienkiewicz das 15h às 17h e mais a noite, fazemos show no bar Nelson Bordello.

Confiram a programação do FIQ no http://fiqbh.com.br/ e a programação paralela do tradicional “Baile dos Quadrinhos Dependentes” no flyer feito por Gabriel Mesquita. Adios!

 

 

No sábado nublado, o movimento na Estação Leopoldina começava a ficar frenético. Muitos seguranças embaçando e tal, tive que ligar pro Goes chegar com a credence.

 

Um dos motivos do aumento de público era a presença de Chris Claremont, roteirista de X-Men, com disputadas filas de autógrafo e para conseguir lugar para sua palestra. Ainda bem que eu não curto muito a Marvel e encontrei Luiz Gê desenhando quase escondido num banco. Catei o livro “O Caçador de Crocodilos” que trouxe de Brasília e levei pra ele autografar. Ele até ficou surpreso pois essa é uma edição rara. Enquanto ele desenhava, lhe disse que usei seu livro “Território de Bravos” para servir de parâmetro na hora de mandar fazer minhas estantes de gibis e ele deu uma sonora gargalhada.

 

(A simpática atriz Vera Holtz comprou gibi de todo mundo)

Denis Kitchen ficou amigo dos dependentes, tanto que disse à imprensa que estava entusiasmado com os projetos editoriais da rapaziada, fazendo uma comparação com os comics undergrounds dos anos 1970. Ele levou um seleto grupo de dependentes para mostrar um original na exposição de Will Eisner. Fui filmando a explicação dele ( se é que entendi direito) ao dizer que Eisner tinha desenhado a piroca de um personagem mijando, daí sua esposa o convenceu a esconder o genital com muito nanquim (veja o vídeo abaixo!). Depois, eu e o Goes aproveitamos pra ver toda a bela exposição dos originais de Will Eisner.

O casal de quadrinistas franceses Fanny Michaëlis e Ludovic Debeurme mostram que são talentosos também na música. Eles forman o duo Fatherkid e fizeram um ensaio público na plataforma de trens. A beleza de Fanny se estende até suas cordas vocais e a moça ainda tem as manhas de sapecar uma batera eletrônica, já Ludovic se garante na guitarra. Fiz essa filmagem (veja o vídeo abaixo!) enquanto o artista Edmond Baudoin (outro francês) desenhava a dupla usando o seu famoso “cachimbo” de nanquim. Eles ainda fizeram um ensaio dentro do nosso vagão e mais tarde, quando já estava escuro e com iluminção desfavoravel, tocaram novamente para um púvlico reduzido, porém amistoso.

(Denis Mello e a sua Comic Cow da Cow Parade)

Fechamos nosso estande às 22h felizes com o movimento do caixa. Fomos pra Botafogo ver o show do Chapa Mamba, outra dupla musical formado pelo Stêvz na guitarra e voz e Bruno na bateria e voz. Eles se apresentaram na Fazenda Tolstoi, que não é uma fazenda e sim uma casa estranha com um corredor estreito. O show foi maneiro, num espremido porãozinho repleto de quadrinistas amigos da banda. Passava das 03h quando Tiago Elcerdo chamou uma cambada pra ir embora. Quem conhece o El Cerdo sabe que ele é um cara tipo stand up 24 horas, faz piada sem parar. Durante o caminho ele ficou brincando de Le Parkour pulando uns obstáculos ridículos, tipo meio fio. Todo mundo rindo e tal, daí ele pula num punhado de bolinhas de isopor que estavam no chão (repetindo: bolinhas de isopor), escorega e toma um estabaco bunitão. Eu sei que contando não tem graça, mas quem presenciou esse fato passou mal de tanto rir.

Domingo, último dia de evento. Minha melhor entrada no evento foi quando o segurança ia me barrar, ouço uma voz chamando meu nome. Era Jô Oliveira que estava perto da entrada, no lado de dentro. Disse que ia falar ali com meu amigo e entrei entrando. Lógico que Jô não sabia que estava facilitando a entrada de um penetra. Me sentei com ele numa muretinha e conversamos alguns minutos. Ele já estava de partida pra Brasília e nos despedimos.

(Jô Oliveira e Caterina Crepax)

Eu e o Márcio JR fomos ver a exposição “As filhas do italiano de Guido Crepax”, com originais, móveis inspirado em Valentina e um vestido, se não me engano, feito por sua filha Caterina Crepax. Mais tarde, o curta de animação “O Ogro” de Marcio Jr foi exibido durante a mostra de filmes do evento.

 

E no mais foi aquilo de tentar arracar os últimos trocados dos visitantes, fazer trocas de gibis, desenhar em molesquines alheios e no fim, desmontar as mesas de papelão. Na saída, trombei com Luiz Fernando Veríssimo, dei um kit do Quebraqueixo pra ele e ganhei um desenho de uma das Cobras dizendo “oi”.

(O argentino Salvador Sanz também ganhou o Kit do QQ)

Depois fomos comer e beber em um bar mexicano em Ipanema. Além dos dependentes estavam presentes: Livia, Luciana, Guilherme, Pablo, Lyra, Gnattali, Gisé, Coutinho, Franz e provavelmente alguéns que esqueci. Ainda procuramos um bar aberto, mas acabamos em um quiosque no calçadão da praia. Vento frio e forte, ondas do mar iden. Pouco tempo depois, apareceram os argentinos Liniers e Salvador Sanz, Grampá e os gêmeos Bá e Moon (ou era só um deles?). Lá pelas 03h, Gomez quis sair fora e eu o acompanhei, me despedindo de todos. Semana que vem, encontrarei vários deles em Belo Horizonte no FIQ.

Ás 13h, vazo do hotel e fico quase meia hora debaixo do sol, na beira da praia esperando o Frescão pro Galeão. Na bagagem 15KG de papel (balança do aeroporto), mas são novos papeis, uma pilha de gibis maravilhosos que estou devorando aos poucos e consomem boa parte do meu tempo livre.

PS 1: Domingo passado (30/11) rolou quase um revival do Rio Comicon no lançamento do Calendário Pindura em Brasília. Tinham representantes da Samba, Beleléu, A Bolha, o paulista Yuri e o carioca Diego que vieram lançar seus produtos conosco no evento bombado no Mercado Cobogô.

PS 2: Vale a pena conferir o relato ilustrado do Rio Comicon feito por André Valente no site da Revista Samba http://revistasamba.blogspot.com/2011/10/relatorio-rio-comicon-2011.html