ESFOLANDO EM SANTIAGO

dezembro 17, 2014

santiago 188

Eu estava esperando um bom motivo pra conhecer Santiago, a capital do Chile. Daí, descobri que rolaria o Festival ROCK OUT, com o line up interessante. Nomes como Fantômas, (The) Melvins e DEVO me animaram. Eu e a Karla compramos as passagens e ingressos e viajamos na quarta-feira, dia 03/12 às 17h de Brasília e depois de uma escala em Guarulhos (SP), chegamos depois da meia-noite (horário local) do dia 04/12 (menos uma hora de fuso horário). Então nosso rolê só começa mesmo depois de algumas horas de sono.
Fomos de metrô (bem eficiente) para a La Moneda, onde está o Palácio sede do governo.

santiago 141

santiago 142

santiago 149

Perto dali, encontramos a movimentada Plaza de Armas. Almoçamos, batemos perna pelo comércio e visitamos o Mercado Central. O local tem muitos restaurantes tradicionais que servem pescados e os famosos caranguejos gigantes Centolla. Passamos por lá bem rápido, pois o cheiro era terrível.

santiago 155

Tomamos um Mote com Huesillos, bebida artesanal popular que é uma porção de grãos de trigo no fundo do copo, banhado com uma espécie de chá mate frio com pêssegos em calda. Não é tão ruim quanto parece, mas também não é uma delícia, só experimentamos por curiosidade. Outra coisa pitoresca na gastronomia fast food de Santiago é o molho “italiano” colocado em hot dogs e hambúrgueres, que nada mais é do que abacate amassado e não é temperado como o guacamole. Eu gostei dos sanduiches de pollo (frango) com abacate que comi, a Karla não.

santiago 157

Dali fomos ao Museo Chileno de Arte Precolombino (pré-colombiano). A primeira parte da expo era: “O Chile antes do Chile” com artefatos primitivos dos primeiros habitantes da região. No piso superior estão peças das culturas de outros países das Américas. Todo o acervo é impressionante e a exposição é muito bem montada.

santiago 162

santiago 178

santiago 189

Na sexta-feira, decidimos ir no Side Show do Fantômas e do (The) Melvins. As duas bandas tocariam no Festival no dia seguinte, mas seria uma boa oportunidade de ver as bandas de perto. Fomos comprar os ingressos na loja SOLDOUT, na galeria Portal Lyon, no bairro Providência. Lá é como uma Galeria do Rock com várias lojas de discos, tattoos, skate e Grow Shops (lojas com suplementos para o cultivo da canabis). O interessante das galerias de Santiago é que são chamadas de “caracolles”, pois não há escadas e sim, rampas circulares em forma de caracóis.

A noite fomos ao Teatro Cariola, onde rolaram os shows. O local era um pouco decadente, mas o som estava lindo. O DEVO também tinha tocado lá na noite anterior. Tinha menos gente do que eu esperava, umas 200 na frente do palco e umas 100 nos mezaninos. Vimos os shows bem de perto e com muito conforto.
Quem abriu foi o Melvins com seu som esquisito. O Guitarrista Buzz Osborne não demostrou nenhuma simpatia com o público, já o batera e o baixista foram bem comunicativos. Destaque pro batera que é muito bom.

santiago 206

santiago 226

Depois foi a vez do Fantômas, o super grupo liderado por Mike Patton, conta com o Guitarrista e baixista do Melvins e o batera Dave Lombardo. Eles tocaram o disco “Director’s Cut” na integra. O show é quase um musical, com covers de trilha sonora de filmes de terror e suspense. Mike Patton tem as manhas de cativar o público falando em espanhol fluente (acho que ele faz isso em qualquer idioma dos países em que toca). Karla deu a melhor definição sobre o show: FANTÁSTICO!

santiago 240

No sábado, ficamos por conta do Festival ROCK OUT. Depois do almoço fomos ao local de onde saiam os ônibus gratuitos para o Espaço Brodway, onde o evento se realizaria. A fila de roqueiros era imensa e demoramos mais de uma hora até conseguirmos embarcar no transporte. A viagem durou uns 30 minutos e quando estávamos chegando, o baú quebrou. Tivemos que andar quase um KM até os portões. Lá recebemos amostras grátis de protetor solar, o que foi realmente uma benção com o solão que estava fazendo. Também ganhamos dois latões de 500ml de energético, o que deu um “up” legal. Infelizmente, o Helmet já tinha tocado. Eram três palcos, um era mais afastado só para bandas do Chile e os outros dois eram lado a lado e revezavam as atrações principais. Compramos remeras (camisetas) oficiais do DEVO na “tienda” de merchandising e no final do show deles, comprei uma de um camelô por um 1/3 da oficial.

santiago 256

santiago 266

O show do Melvins não foi tão bom. Acho que a banda não se encaixa bem em festivais grandes e o som estava um pouco embolado. O público ficou meio apático, não entendendo direito qual era a da banda.
O show do Fantômas também foi prejudicado pelos equipamentos de som, mas se saiu melhor. Ainda bem que vimos os shows na noite anterior, pois foram muito melhores.

O grande momento do festival, com certeza foi a apresentação do DEVO. Cara, que show divertido, dançante do começo ao fim. O telão com imagens sincronizadas com as músicas, as trocas de figurinos e a simpatia dos integrantes foram perfeitas. Até o som estava ótimo. Espetáculo memorável!
Ainda vimos um pedacinho do show do Primus, mas preferimos ir embora. O sol tinha se posto atrás das montanhas e o vento gelado predominava. Pegamos um dos ônibus gratuitos de volta. O festival estava razoavelmente bem organizado e tinha boa estrutura. Faço votos que o ROCK OUT tenha outras edições.

santiago 281

santiago 312

Domingo, fomos no Pátio Bellavista, um shopping gastronômico chique onde almoçamos. Lá perto, visitamos a “La Chascona”, uma das três casas do poeta Pablo Neruda. De noite fomos no Bairro Lastarria, onde tem vários bares e restaurantes.

santiago 338

santiago 354

santiago 342

Nos não sabíamos que nas segundas-feiras os locais turísticos e museus ficam fechados por lei. Pra piorar, era feriado nacional. Sem outra opção, compramos um pacote turístico para conhecer as cidades Valparaiso e Viña del Mar, que ficam a 150km da capital (duas horas e meia). A primeira é uma cidade portuária e a segunda, um balneário.

santiago 370

santiago 381

santiago 389

Fomos de ônibus e em Valparaiso, fizemos os trajetos em uma Van com outros turistas brasileiros, peruanos, colombianos e argentinos. Só vimos a “La Sebastiana”, outra casa de Neruda por fora, já que estava fechada (a terceira casa fica em Isla Negra). Lá perto, tiramos fotos com uma estátua do poeta em tamanho natural.

santiago 442

As pequenas praias de Vinã del Mar até são bonitas, mas as águas do Oceano Pacífico são gélidas e poucas pessoas se arriscam a entrar. Já no fim do passeio, pudemos ver o único Moai autêntico Rapa Nui da Isla de Pascua em terras do Chile, que fica na frente do Museu de História Natural (os outros são réplicas). O passeio foi um pouco cansativo, mas valeu a pena.

santiago 458

santiago 456

santiago 465

santiago 485

Terça-feira, dia 09/12 ainda conseguimos dar uma volta rápida pelo centro de Santiago antes de ir pro aeroporto e pegar o avião pra Guarulhos às 15h e chegar em Brasília às 23h.

santiago 521

santiago 518

santiago 512

Anúncios

Essa é a primeira de quatro páginas do ROCK vs. COMICS na Europa. Começamos com Lisboa!

2 Lisboa WEB

É HOJE!

maio 23, 2014

Flyer novo QQ Macaka

ESFOLANDO OS FINLANDESES

abril 25, 2014

Finlandeses e tchecos chegaram! É hoje!

terveet kadet Cinza WEB

ESFOLANDO Guns’N’Roses!

março 28, 2014

GNR web

Nunca gostei muito do Guns’ N’ Roses e depois de assistir o show que eles deram na terça passada (25/03) em Brasília, a minha opinião não mudou muito. Em minha defesa, declaro que só fui porque ganhei uma cortesia e estava um pouco curioso. Nunca tinha visto o Nilson Nelson tão cheio (11 mil pessoas) e com o som tão embaçado. Vejo muita gente reclamando que o Aquicéu Rousi está cantando pior que antigamente, como não curto vocalista de “voz fina”, pra mim não fez diferença. Ainda temos que levar em conta, que o coro dos desafinados e que cantam em “Ingrêis” horrível não ajudam a melhorar a interpretação do vocalista. Achei a produção e pirotecnia fracas, os pipocos mais assustavam do que entretiam. Pra mim, o melhor momento do show foi o cover de “Holidays in the sun” do Sex Pistols, cantada pelo baixista Tommy Stinson ( ex- The Replacements). Achei até legalzinho aquelas músicas que outrora fizeram sucesso, mas as baladas que dominaram o set list, me fizeram ir embora com menos de duas horas de show. E foi o suficiente!

ESFOLANDO O BRUJERIA

março 10, 2014

juan brujo R vs. C

Na sexta-feira passada (07/03/2014) eu desentalei o show do Brujeria, que estava na minha lista de espera desde 2011quando eles tocaram pela primeira vez em Brasília. Na ocasião, eu estava no escandaloso festival MOA em São Luís (MA). Apesar de alguns problemas de atraso devido à chuva insistente, o evento rolou de boa e o produtor KBÇA (Bruto) está de parabéns. Pra completar, fiz as vendas das camisetas oficiais da banda e no fim, fui pro camarim com os caras. Troquei umas idéias com o Shane Embory, Juan Brujo e Fantasma. Aproveitei pra presenteá-los com exemplares do ROCK vs. COMICS.

shane embury 1 Rvs C

DEAD KENNEDYS no Festival Abril Pro Rock 2013. Mais uma página inédita da segunda temporada de ROCK vs. COMICS!

DK 19 cm WEB

ESFOLANDO O DAVID BOWIE

fevereiro 5, 2014

Enquanto a temporada de rock 2014 não começa, resolvi fazer uma homenagem a David Bowwie numa página EXTRA RED pro ROCK vs. COMICS.

BOWIE RED web

PRIMEIRO ROCK DO ANO

janeiro 14, 2014

Meu primeiro show de rock em 2014 foi no domingo passado (12/01). Posso dizer que me surpreendi de várias formas. Tudo nesse “showzinho” era curioso: o evento foi divulgado só no facebook pra pouca gente; o local anunciado era obscuro: perto do Clube do Choro; entre as atrações, uma banda francesa. Tudo sem apoio e de graça. Foi a primeira vez que vi uma GIG 100% DIY, ou melhor, Do It Together. Pra começar, cheguei no local sem saber o que era aquela construção. Parecia um estacionamento inacabado, ao lado do Cube do Choro. Então, o que rolou foi uma ocupação informal de espaço público abandonado. A falta de energia elétrica foi superada com dois pequenos geradores que suportaram todo o equipamento de palco para quatro bandas e inventiva iluminação meio natalina. Foi tudo emprestado das bandas e simpatizantes da causa. E mesmo com divulgação fraca, mais de 200 pessoas apareceram. Montei minha mesa com livros e gibis, ao lado de camelôs de discos, zines e comida vegana, mas é logico que os “tios” da cerveja é que faturaram mais. Vi só o fim da apresentação do duo guitar/vocal e bateria Delyrics in Kaksi. Depois foi a vez do Terror Revolucionário, que fazem aniversário de 15 anos de HC no mês que vem (assista o vídeo do André Totors). A atração gringa veio do sul da França: a banda Alarm são dois caras e duas minas tocam um punk rock bem na manha e original. Fechando com o interessante Gracias Por Nada. Quando acabou o show, o pessoal se mobilizou pra desmontar as paradas e guardar nos carros. Fiquei feliz em ver isso acontecer, principalmente aqui em Brasília, onde o público ficou viciado em shows “de graça” no museu, com montes de atrações merda com cachês milionários pagos pelo GDF com o nosso dinheiro. Ver uma iniciativa dessas, completamente sem fins lucrativos, me faz ter esperança de que existam novos caminhos para o rock na cidade. Dou meus sinceros parabéns pra essa moçada que realizou o evento, não deve ter sido fácil, mas foi muito divertido. Faço votos que continuem e que esse novo modelo de cooperativa seja utilizados por outras bandas.

Página inédita do ROCK vs. COMICS com Slayer e Ghost B.C.!

slaye ghost WEB