Amigos, ficarei alguns dias na Europa, quando voltar farei posts com fotos e páginas para o ROCK vs. COMICS.

euro TOUR 2015azul

ESFOLANDO EM SANTIAGO

dezembro 17, 2014

santiago 188

Eu estava esperando um bom motivo pra conhecer Santiago, a capital do Chile. Daí, descobri que rolaria o Festival ROCK OUT, com o line up interessante. Nomes como Fantômas, (The) Melvins e DEVO me animaram. Eu e a Karla compramos as passagens e ingressos e viajamos na quarta-feira, dia 03/12 às 17h de Brasília e depois de uma escala em Guarulhos (SP), chegamos depois da meia-noite (horário local) do dia 04/12 (menos uma hora de fuso horário). Então nosso rolê só começa mesmo depois de algumas horas de sono.
Fomos de metrô (bem eficiente) para a La Moneda, onde está o Palácio sede do governo.

santiago 141

santiago 142

santiago 149

Perto dali, encontramos a movimentada Plaza de Armas. Almoçamos, batemos perna pelo comércio e visitamos o Mercado Central. O local tem muitos restaurantes tradicionais que servem pescados e os famosos caranguejos gigantes Centolla. Passamos por lá bem rápido, pois o cheiro era terrível.

santiago 155

Tomamos um Mote com Huesillos, bebida artesanal popular que é uma porção de grãos de trigo no fundo do copo, banhado com uma espécie de chá mate frio com pêssegos em calda. Não é tão ruim quanto parece, mas também não é uma delícia, só experimentamos por curiosidade. Outra coisa pitoresca na gastronomia fast food de Santiago é o molho “italiano” colocado em hot dogs e hambúrgueres, que nada mais é do que abacate amassado e não é temperado como o guacamole. Eu gostei dos sanduiches de pollo (frango) com abacate que comi, a Karla não.

santiago 157

Dali fomos ao Museo Chileno de Arte Precolombino (pré-colombiano). A primeira parte da expo era: “O Chile antes do Chile” com artefatos primitivos dos primeiros habitantes da região. No piso superior estão peças das culturas de outros países das Américas. Todo o acervo é impressionante e a exposição é muito bem montada.

santiago 162

santiago 178

santiago 189

Na sexta-feira, decidimos ir no Side Show do Fantômas e do (The) Melvins. As duas bandas tocariam no Festival no dia seguinte, mas seria uma boa oportunidade de ver as bandas de perto. Fomos comprar os ingressos na loja SOLDOUT, na galeria Portal Lyon, no bairro Providência. Lá é como uma Galeria do Rock com várias lojas de discos, tattoos, skate e Grow Shops (lojas com suplementos para o cultivo da canabis). O interessante das galerias de Santiago é que são chamadas de “caracolles”, pois não há escadas e sim, rampas circulares em forma de caracóis.

A noite fomos ao Teatro Cariola, onde rolaram os shows. O local era um pouco decadente, mas o som estava lindo. O DEVO também tinha tocado lá na noite anterior. Tinha menos gente do que eu esperava, umas 200 na frente do palco e umas 100 nos mezaninos. Vimos os shows bem de perto e com muito conforto.
Quem abriu foi o Melvins com seu som esquisito. O Guitarrista Buzz Osborne não demostrou nenhuma simpatia com o público, já o batera e o baixista foram bem comunicativos. Destaque pro batera que é muito bom.

santiago 206

santiago 226

Depois foi a vez do Fantômas, o super grupo liderado por Mike Patton, conta com o Guitarrista e baixista do Melvins e o batera Dave Lombardo. Eles tocaram o disco “Director’s Cut” na integra. O show é quase um musical, com covers de trilha sonora de filmes de terror e suspense. Mike Patton tem as manhas de cativar o público falando em espanhol fluente (acho que ele faz isso em qualquer idioma dos países em que toca). Karla deu a melhor definição sobre o show: FANTÁSTICO!

santiago 240

No sábado, ficamos por conta do Festival ROCK OUT. Depois do almoço fomos ao local de onde saiam os ônibus gratuitos para o Espaço Brodway, onde o evento se realizaria. A fila de roqueiros era imensa e demoramos mais de uma hora até conseguirmos embarcar no transporte. A viagem durou uns 30 minutos e quando estávamos chegando, o baú quebrou. Tivemos que andar quase um KM até os portões. Lá recebemos amostras grátis de protetor solar, o que foi realmente uma benção com o solão que estava fazendo. Também ganhamos dois latões de 500ml de energético, o que deu um “up” legal. Infelizmente, o Helmet já tinha tocado. Eram três palcos, um era mais afastado só para bandas do Chile e os outros dois eram lado a lado e revezavam as atrações principais. Compramos remeras (camisetas) oficiais do DEVO na “tienda” de merchandising e no final do show deles, comprei uma de um camelô por um 1/3 da oficial.

santiago 256

santiago 266

O show do Melvins não foi tão bom. Acho que a banda não se encaixa bem em festivais grandes e o som estava um pouco embolado. O público ficou meio apático, não entendendo direito qual era a da banda.
O show do Fantômas também foi prejudicado pelos equipamentos de som, mas se saiu melhor. Ainda bem que vimos os shows na noite anterior, pois foram muito melhores.

O grande momento do festival, com certeza foi a apresentação do DEVO. Cara, que show divertido, dançante do começo ao fim. O telão com imagens sincronizadas com as músicas, as trocas de figurinos e a simpatia dos integrantes foram perfeitas. Até o som estava ótimo. Espetáculo memorável!
Ainda vimos um pedacinho do show do Primus, mas preferimos ir embora. O sol tinha se posto atrás das montanhas e o vento gelado predominava. Pegamos um dos ônibus gratuitos de volta. O festival estava razoavelmente bem organizado e tinha boa estrutura. Faço votos que o ROCK OUT tenha outras edições.

santiago 281

santiago 312

Domingo, fomos no Pátio Bellavista, um shopping gastronômico chique onde almoçamos. Lá perto, visitamos a “La Chascona”, uma das três casas do poeta Pablo Neruda. De noite fomos no Bairro Lastarria, onde tem vários bares e restaurantes.

santiago 338

santiago 354

santiago 342

Nos não sabíamos que nas segundas-feiras os locais turísticos e museus ficam fechados por lei. Pra piorar, era feriado nacional. Sem outra opção, compramos um pacote turístico para conhecer as cidades Valparaiso e Viña del Mar, que ficam a 150km da capital (duas horas e meia). A primeira é uma cidade portuária e a segunda, um balneário.

santiago 370

santiago 381

santiago 389

Fomos de ônibus e em Valparaiso, fizemos os trajetos em uma Van com outros turistas brasileiros, peruanos, colombianos e argentinos. Só vimos a “La Sebastiana”, outra casa de Neruda por fora, já que estava fechada (a terceira casa fica em Isla Negra). Lá perto, tiramos fotos com uma estátua do poeta em tamanho natural.

santiago 442

As pequenas praias de Vinã del Mar até são bonitas, mas as águas do Oceano Pacífico são gélidas e poucas pessoas se arriscam a entrar. Já no fim do passeio, pudemos ver o único Moai autêntico Rapa Nui da Isla de Pascua em terras do Chile, que fica na frente do Museu de História Natural (os outros são réplicas). O passeio foi um pouco cansativo, mas valeu a pena.

santiago 458

santiago 456

santiago 465

santiago 485

Terça-feira, dia 09/12 ainda conseguimos dar uma volta rápida pelo centro de Santiago antes de ir pro aeroporto e pegar o avião pra Guarulhos às 15h e chegar em Brasília às 23h.

santiago 521

santiago 518

santiago 512

Terceira página!

1 Bruxelas OK WEB

ROCK vs. COMICS em PARIS

julho 23, 2014

Essa é a segunda de quatro páginas que fiz sobre o rolê na Europa com o ROCK vs. COMICS. A vez é de Paris! PS: tive a pachorra de desenhar a mona lisa…

Paris 1 WEB

Essa é a primeira de quatro páginas do ROCK vs. COMICS na Europa. Começamos com Lisboa!

2 Lisboa WEB

ESFOLANDO NA EUROPA

junho 9, 2014

EURO TOUR 2014

euro tour web

el pep web

DEAD KENNEDYS no Festival Abril Pro Rock 2013. Mais uma página inédita da segunda temporada de ROCK vs. COMICS!

DK 19 cm WEB

Página inédita do ROCK vs. COMICS com Slayer e Ghost B.C.!

slaye ghost WEB

ESFOLANDO O 8° FIQ – BH

novembro 16, 2013

outdoor fiq

Eu quase não fui pro FIQ desse ano. Gastei uma pequena fortuna viajando pra ver shows e fazer lançamentos do ROCK vs. COMICS em outras cidades, inclusive recentemente fui à Belo Horizonte ver o Black Sabbath.E quanto mais eu enrolava na minha decisão, mais caro ficavam as passagens. Daí, comecei a fazer cálculos e na minha logística tosca, consegui chegar a um resultado satisfatório: meu FIQ seria pela metade. E metade será sempre melhor que nada!

lelis

Cheguei em BH na quarta-feira 13/11, primeiro dia do 8º Festival Internacional de Quadrinhos. Quando entrei na Serraria Souza Pinto, local do evento, a primeira pessoa que eu cumprimento é o Marcatti. Ele nem me conhecia, mas apertou minha mão com um sorriso e um ponto de interrogação na testa: quem é esse cara? Nós nunca nos vimos pessoalmente, mas sou fã do trabalho dele ha muitos anos. Mais tarde, dei um ROCK vs. COMICS pra ele e conversamos sobre muitas coisas, inclusive sobre o Ratos de Porão. Gente fina demais.

marcatti

Quando cheguei no stand dos Dependente, reencontro os Sambas LTG, Goes e Mesquita; os Beleléus El Cerdo e Stevz e o Prego Alex. Essa é nossa terceira participação consecutiva no FIQ. O stand estava cheio de novidades, inclusive o ROCK vs. COMICS estava ali, agregando valor ao camelote.

dependentes

Logo começo a trombar com os amigos quadrinistas de outras cidades e países. E a todo o momento você conhece gente nova e quadrinhos novos. Aquele monte de informação vai acumulando e é que aí você percebe a importância do FIQ para o seu crescimento pessoal como artista e apreciador de HQs.

icones

Fico sempre curioso para conferir as exposições. Tinham três: uma com trabalhos originais do Lelis e outra intitulada “Ícones do Quadrinhos”, onde vários artistas desenharam personagens clássicos das HQs. Brasília foi representada pelo Gabriel Goes com o Brucutu.

brucutu goes

A expo principal foi sobre a obra de Laerte, o homenageado dessa edição e que foi montada por seu filho, Rafael Coutinho. Ficou muito interessante, pois fugiu da mostra de originais e retrospectiva da vida do artista. A exposição é muito interativa e colorida. Um dos pontos altos era a animação do navio dos Piratas do Tietê que era projetada à noite na fachada da Serraria (assista o vídeo).

piratas2

piratas1

piratas3

rafael coutinho

Ás 22h fechamos o stand e fomos comer e beber com outros quadrinistas num boteco do Edifício Maleta. O Cruzeiro tinha se sagrado campeão e a algazarra dos torcedores era enorme. Muito barulho, gritos, buzinaço e gente bêbada madrugada adentro. No outro dia continuou a comemoração, que parou o trânsito com a passagem dos jogadores desfilando em carro de bombeiro pela Av. Afonso Pena. Por causa disso, tive que ir à pé pro evento. No caminho, passei pela expo do Escher no Parque Municipal, mas não entrei porque estava cheio e eu tinha pressa.

escher

O segundo dia não foi muito diferente do primeiro, só que o movimento e o calor estavam maior. Peguei um autógrafo e um sketch do Peter Kuper e lhe dei um ROCK vs. COMICS, onde mostrei o desenho que fiz do Spy vs. Spy. A noite também terminou no Maleta.

kuper e eu

Apesar de ter dormido pouco, acordei cedo na sexta-feira pra aproveitar meu último dia em BH. Fiz as últimas compras, inclusive o toy do Capitão dos Piratas do Tietê, que agora enfeita minha prateleira. Fiz várias trocas de gibis e contatos. Perto das 16h, peguei minhas coisas e fui me despedindo dos amigos. Dei sorte de no finalzinho, encontrar com o Laerte, que finalmente apareceu no evento e pude dar um pra ele ROCK vs. COMICS. Missão comprida.

laerte rvsc

Pra finalizar, eu estou parado na calçada, fora da Serraria, esperando um taxi pra ir embora e pára uma van na minha gente. A porta abre, sai uma moça da produção do FIQ e quando eu olho, dentro do veículo está Maurício de Sousa. A moça volta, entra na van e fecha a porta e eles partem.
Até rolou um arrependimento de não ter ficado mais um pouco, mas eu já estava conformado quando cheguei em casa. Provavelmente teria me arrependido mais se não tivesse ido. E como escrevi no começo, um FIQ pela metade é melhor que FIQ nenhum!

prateleira

ROCK vs. COMICS NO FIQ 2013

novembro 12, 2013

Amanhã começa o Festival Internacional de Quadrinhos em BH! Eu e o ROCK vs. COMICS estaremos lá. Procure no estande dos Quadrinhos Dependentes!
1462952_658952307502269_664424344_n